Em cartaz no Rio de Janeiro e em São Paulo: Alice Ripoll, Luisa Coser e Eduardo Fukushima apresentam espetáculos

Suave, novo espetáculo de Alice Ripoll, compõe a programação do Entrando na Dança, projeto do Festival Panorama que leva ações artísticas para regiões mais afastadas do circuito comercial do Rio de Janeiro. No trabalho, Alice explora a movimentação do passinho em diálogo com o frevo, o kuduro e o samba.

Na composição de Suave, não apenas aspectos do movimento são abordados – as atitudes cotidianas e a relação vivida entre a coreógrafa e as/os dez dançarin@s da Arena Carioca Dicró (localizada no bairro da Penha) também “entram na dança”. Cada intérprete se torna protagonista e cronista de sua própria ação.

A próxima apresentação do espetáculo pode ser conferida em 25/set (qui) na Arena Carioca Fernando Torres (Rua Bernardino de Andrade, 200 – Parque Madureira), às 20h. Além de Alice, o projeto Entrando na Dança apresenta coreografias de Renato Cruz e Sonia Destri Lie. Saiba mais aqui.

[Dançarin@s de Suave, espetáculo dirigido por Alice Ripoll / foto: Cidinha Almeida]

Também no Rio de Janeiro, Assim você saberá onde estou, aqui e lá, espetáculo dirigido e coreografado por Luisa Coser, estreia na Rampa – Espaço de Criação. O trabalho que em cena apresenta, além da própria Luisa, as/os performers Aline Bernardi, Henrique Castro, Leonardo Carvajal e Uliana Panina, ganha sessões amanhã e sábado (19 e 20/set), às 20h.

[Luisa Coser e Henrique Castro em cartazes do espetáculo Aqui você saberá onde estou, aqui e lá]

O foco do trabalho está em questões do pertencimento em movimento, mobilidade e moradia – as/os 5 intérpretes são advind@s de diferentes lugares: Rússia, Chile, Ceará e Rio de Janeiro. No dia 2/set, publicamos uma postagem em ctrl+alt+dança sobre a campanha de crowdfunding do projeto.

Depois das apresentações na Rampa, Aqui você saberá onde estou, aqui e lá segue para o Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro para sessões nos dias 4 e 5/out (às 19h). Na semana seguinte (11 e 12/out – respectivamente, às 20h e 19h), o trabalho volta a ser apresentado na Rampa.

A Rampa – Lugar de Criação fica na Rua Sá Ferreira, 202 – Copacabana – Rio de Janeiro (RJ). O Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro localiza-se na Rua José Higino, 115 – Tijuca (metrô Uruguai) – Rio de Janeiro (RJ).

[Eduardo Fukushima em Homem Torto / foto: Inês Correa]

Em São Paulo, Eduardo Fukushima apresenta o solo Homem Torto, concebido e desenvolvido entre 2012 e 2013 durante uma residência artística em Taiwan (China). A temporada do espetáculo no SESC Belenzinho ganha suas últimas sessões de amanhã a domingo (19-21/set).

Com música de Tom Monteiro, Homem Torto insiste em unir opostos como a dureza e a leveza, a fragilidade e a força, o estar perto e longe do público, o equilíbrio e o desequilíbrio, movimentos fluidos e cortados, o dentro e o fora do corpo. O trabalho foi viabilizado a partir do projeto Rolex Mentor & Protegé, concedido a jovens artistas promissor@s de todo o mundo. Eduardo foi o primeiro brasileiro selecionado para o programa de bolsa de estudos, que resultou na criação do solo.

As sessões no SESC Belenzinho acontecem às 20h30 (sex e sáb) e às 17h30 (dom), com ingressos a R$10 (inteira), R$5 (meia-entrada) e R$2 (associad@s SESC). Homem Torto possui classificação indicativa 12 anos.

O SESC Belenzinho fica na Rua Padre Adelino, 1.000 – Belém – São Paulo (SP).

E você? O que acha?

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s